A importância do Plano de Negócios

Abrir uma empresa é um trabalho relativamente fácil no Brasil, hoje qualquer um pode acessar o Portal do Empreendedor e abrir sua empresa como Micro Empreendedor Individual.

Na ultima pesquisa realizadas pela MindMiners, revela que dois terços dos brasileiros (66%) querem abrir a própria empresa para ter mais liberdade e autonomia.

Por outro lado, a grande maioria dessas empresa acabam não conseguindo obter o sucesso e encerram suas atividades.

Logicamente que existem diversos fatores que podem levar a isso, porém um ponto muito importante, muitas vezes, é deixado de lado, que é o Plano de Negócios.

A maioria das pessoas ignoram essa etapa fundamental, muitas vezes por achar que não é necessários, outras poque acham que já dominam o seu mercado e outras por falta de tempo e dinheiro para se planejar.

O fato é que um Plano de Negócios não é uma garantia que seu negócio vai dar certo, porém é um norte que a empresa tem para poder seguir. Já vi muitos casos de empresas com um ótimo Plano de Negócios e não darem certo (eu mesmo já tive duas empresas que passaram por isso), porém o mais importando do Plano de Negócios, além de dar o norte, é saber onde acertou e onde errou, e isso que vai poder fazer a empresa chegar ao sucesso.

Agora vou contar uma pequena história de um dos casos vivido por mim.

Muitos anos atrás eu trabalhava em uma operadora de telecomunicações multinacional, saí para prestar consultorias para projetos de tecnologia para o Governo, elaborei muitos editais, fiz muitos Planos Diretor de Informática, Plano Diretor de Tecnologia, etc.

Após uns 2 anos prestando serviço voltei a trabalhar em uma outra operadora de telecomunicações multinacional, e neste período, eu achava que já tinha grandes conhecimentos e que poderia me aventurar mais um pouquinho.

Eu e mais 3 amigos resolvemos montar um provedor de internet, na época fazendo FTTB (fiber-to-the-building ou fibra até o prédio em tradução livre).

Fizemos um plano de negócio lindo!!! Maravilhoso!! Estudo de mercado, matriz swot, projeções de receitas, de despesas para 5 anos e tudo mais! A cidade escolhida para o projeto era pequena e uma das mais verticalizadas do Brasil, tudo perfeito!

Então… bora por a mão na massa!

Um sócio do financeiro, um sócio de tecnologia, um sócio de vendas e tecnologia e um sócio de vendas.

E vamos colocar para funcionar!

Logo no início você já se depara com as dificuldades legais, e as dificuldades burocráticas, porém fomos em frente, montamos o data center, toda a parte técnica ok, site pronto e vamos procurar clientes B2B e B2C.

Conseguimos cliente! Legal!

Aí que começaram os problemas, eu trabalha em um operadora, o outro em um provedor, o outro dava consultoria financeira em outra cidade… e isso não estava no PN!!!

Já começamos errado, tínhamos somente 1 pessoa responsável pela venda que não tinha conhecimento técnico para tocar o negócio e também não queria tocar sozinho, em contra-partida também não tínhamos verba para contratar alguém, nesses impasses acabaram-se dividindo as sociedades e cada um foi tocar sua vida.

Resumindo, por mais lindo que seja seu Plano de Negócio, sem a dedicação de todos envolvidos dificilmente dará certo, e essas variáveis nunca estão em nenhum PN.

Lógico que aprendemos muito com isso e serviu de base para outros negócios, aprimorar o PN, adaptar e também saber o como executar, que é o mais importante.

As empresas podem falhar por diversas razões, mas o PN deve ser feito, nem que seja já com a empresa em funcionamento (também tenho casos, mas fica para outros posts :D), mas é importante ser feito.

Fui analisar o PN anos depois, com mais experiência e mais crítico vi que, além da parte de dedicação dos sócios, também haviam alguns pontos a serem considerados que poderia vir a ser pontos que poderiam nos dar muita dor de cabeça no futuro ou até arriscar a não dar certo, porém está tudo lá, planejado, documentado e que pode ser revisado.

Um outro ponto importante é que o PN seja um norte, um ponto de partida, que muitas vezes poderá (e vai ser) mudado ao longo do tempo da empresa, pois o mercado muda, a tecnologia muda, o consumidor muda e isso tem que ser revisado de tempos em tempos, até para saber onde você está acertando ou errando.

Não existe uma fórmula mágica mirabolante, pois cada empresa e cada negócio é um caso diferente que tem que ser minuciosamente analisado.

Uma dica boa é pegar no próprio SEBRAE alguns modelos de PN para ver qual se adéqua ao seu negócio e que se sinta mais confortável em fazer, o próprio SEBRAE oferece algumas consultoria gratuitas para quem está começando e pode ser uma boa, porém não pode-se esperar algo muito elaborado e técnico, pois as consultas geralmente são mais rápidas devido à grande demanda.

Outro ponto para levar em consideração é que nem todo mundo consegue ou tem condições de elaborar um planejamento mais minucioso e detalhado, o que é normal, pois muitas vezes o empreendedor é bem especializado ou conhece bem o mercado em que está entrado e não precisa necessariamente saber gerar um documento deste tipo, ou até por falta de tempo.

Pensando nisso a EmpreenderMe bolou alguns planos de consultoria focados principalmente em e-commerce voltado para empresas PMEs, com um custo super acessível e já contemplando treinamentos para que o empreendedor já entre no mercado com uma base de conhecimento prático para tocar o negócio. Além disso oferecemos soluções desde a mentoria, elaboração de Plano de Negócios e o acompanhamento do negócio até a empresa obter resultados.

Para finalizar, nada melhor do que lembrar novamente que o Plano de Negócio é essencial para o norte de qualquer empresa, seja ela um Micro Empreendedor Individual que, muitas vezes utiliza capital próprio para começar, até StartUps que queiram ser aceleradas por investidores.

Em qualquer caso não deixa de contar com a EmpreenderME para alavancar sua empresa.

Até a próxima!

 

Dimitri Gallucci Sidney


Dimitri Gallucci Sidney é Coordenador de E-commerce e CEO na EmpreenderMe

Formado em Ciências da Computação em 2001 e Pós Graduado em Telecomunicações 2002, trabalhou em grandes empresas multinacionais como Telefônica e Embratel, além de prestar consultoria para projetos de tecnologia para o Governo de Santa Catarina, Prefeituras dentre outros.

2018-12-17T22:57:24-02:00